14 de setembro de 2011

Sobre mudanças e reformas ...

Nestas últimas semanas resolvemos reformar a casa.

É interessante como a bagunça, o empurra-empurra dos móveis, a sujeira, tudo faz com que você, obrigatoriamente, também entre em reforma.

Pensei em como minha vida mudou nos últimos dois anos, em como o casamento e a Maria Luiza me trouxeram novas prioridades, que transformaram as minhas próprias prioridades em "secundariedades".

É bom ter o filho como prioridade? Sim, em 99,9% das vezes é uma delícia ... mas nunca, nunca sentir-se cerceada do direito de pensar primeiro em você seria crime? Crime não é ... Mas, seria imoral? Seria contra o que toda a mãe deve ser? Seria contra o que todos esperam de você?

A reforma primeira que toda mulher que vira mãe faz é nessa escala de prioridades: "Os filhos e a família em primeiro lugar!" - Esse é o lema da boa mãe e da boa esposa, mas será que em nenhum momento as outras mães do mundo pensam: "Hoje eu quero ficar sozinha e pensar só em mim!?!"

Eu confesso ... eu já pensei! Pensei em toda a liberdade que eu tinha, em todas as coisas que eu podia fazer sem pensar em mais ninguém, em todas as coisas que eu não poderia mais fazer, e em todas as coisas que eu gostaria de fazer, mas ... agora tenho outras prioridades.

Sim, confesso também que pensei em reformar novamente as prioridades e falar francamente: "Maria Luiza, te vira! Já tens um ano e meio e já está na hora de você viver a sua própria vida!" ... Mas achei que ainda era um pouco cedo para isso ...

Todas as boas mães vão me crucificar? Ou será que fazendo um estudo estatístico para saber entre quais níveis de sanidade pode uma mãe variar, seria possível detectar que mais de uma entre dez mães, em algum momento, sentem-se da mesma forma? Será que a minha mãe já pensou assim????

O mais engraçado é que isso não diminui meu amor pela Malu, mas apenas, (talvez por um efeito colateral do desmame) eu esteja querendo ficar independente dela ...

Enfim, como é difícil encarar as mudanças! ... ai meu Deus! ... Onde vou colocar o sofá???

3 de setembro de 2011

Sobre o meu desmame ...


Comunico a todos que, desde o último dia 24 de agosto, estou me desmamando da Malu.
O processo é esse mesmo. Eu, me desmamando da Maria Luiza.
O ato de amamentar me alimentava a alma, me enchia de todo o orgulho que uma vaca leiteira poderia ter ao saber-se nutriz de sua cria.
Estou sofrendo de saudades dos olhinhos dela me olhando apaixonadamente lá de baixo, as mãozinhas sobre o peito num carinho de vai e vem dos dedinhos e o calorzinho de seus pezinhos no meu corpo.  E o barulhinho do chups-chups! Minha linda bezerrinha, foi um ano e meio de muito chamego e leite, leite, leite ...
Eu mamava essa troca de amor todinha! E já era totalmente dependente desse leitinho que ela me dava, acho que a dependência era mais minha do que dela ... não acho, tenho certeza!
Mas, e como fazer com que ela saiba que eu ainda a amo muito? Apesar de passar a negar a primeira coisa que dei: o aconchego do meu peito... Bom, eu acho que toda mãe tem o seu jeitinho especial de permanecer no coração de seus rebentos, o meu ... a Maria Luiza sabe qual é, e o nosso amor continua igual ... e crescendo!
E todas as vezes que ela me olha faceira e pede: “Qué mamá!”, me dá um aperto no coração e quase volto a mamar ... mas permaneço forte no meu desmame. Preciso desmamar para que possa deixá-la crescer. Para que ela fique independente. Para que ela saiba que existe todo um mundo lá fora além de mim (existe? Ahhhh ... que pena!).